Jornalista há 23 anos, Madeleine Lacsko é especialista em Media Literacy, desvenda técnicas de comunicação e debate político para o cidadão comum.

 

A era da hipercomunicação e o mindset digital criaram uma nova necessidade para o cidadão comum: Media Literacy. A expressão quer dizer a capacidade de aprender a "ler" a mídia, de entender o que está por trás da mensagem, as técnicas utilizadas e a diferença entre informação e propaganda.

 

Hoje, cada cidadão comum é um meio de comunicação - mas quantos de nós dominam as técnicas de comunicação necessárias tanto para checar informações quanto para fazer com que os outros entendam o que realmente queremos dizer?

Depois de se dedicar, durante 3 anos, exclusivamente à cobertura política, Madeleine Lacsko observou que as pessoas têm sede de participar, mas não encontram locais apartidários para buscar conhecimento sobre política nem conseguem identificar com facilidade as técnicas de propaganda utilizadas principalmente nas mídias sociais. 

Resolveu fazer um mergulho nos estudos mais atualizados sobre o tema e desvendar os bastidores do jornalismo e da análise política para o cidadão comum. O primeiro resultado dessa iniciativa é o curso ESTUDARPOLITICA.COM, uma fonte de informação apartidária e simples, com os principais conceitos que têm sido explorados e distorcidos no debate político nas redes sociais.

A partir de 2020, além de se dedicar à produção de conteúdo de Media Literacy no novo projeto PoliPOP, a jornalista vai se dedicar a mentorias, palestras e workshops nessa área.

ENTREGANDO OS BASTIDORES

Depois de 12 anos de carreira como repórter em São Paulo, cobrindo principalmente política, polícia e cidades, Madeleine Lacsko percebeu que o cidadão comum tem uma espécie de desconfiança dos jornalistas e resolveu ir ao coração do problema. Concluiu que uma boa dose do distanciamento se deve ao fato de jornalistas reportarem situações que jamais viveram e, então, deu uma guinada na carreira.

Durante 7 anos, dedicou-se a trabalhar, na área de comunicação mas com responsabilidades comuns, em diversos setores da economia nacional e internacional. Era a oportunidade de, finalmente, vivenciar situações sobre as quais costumava fazer reportagens. 

O ponto de partida foi em 2008, com um cargo no Supremo Tribunal Federal. Em 2010, foi Consultora Internacional em Comunicação para o Desenvolvimento do UNICEF Angola, tendo feito parte da equipe que erradicou a pólio no país. De volta ao Brasil, quis conhecer a iniciativa privada e teve uma oportunidade no departamento de marketing da CCR. Em seguida, participou do lançamento da plataforma Change.org no Brasil, tendo sido a primeira diretora de comunicação da B-Corp no Brasil. A última parada antes do retorno à imprensa foi como assessora parlamentar do presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo.

 

Ao viver a experiência de ser gestora no setor público e privado, no Brasil e exterior, a jornalista conheceu por dentro - e aprendeu a utilizar - as principais técnicas de propaganda e manipulação que impedem a informação de chegar da forma correta ao público comum. Driblar essas táticas de comunicação faz com que saiba exatamente como pegar no pé dos poderosos.

Em 2015, voltou à imprensa tendo, além dessa experiência, conhecimento e treinamento em mídias digitais. Madeleine Lacsko já havia compreendido que não era apenas uma nova tecnologia, era um "Mindset Digital", que dava à imprensa um público com expectativas diferentes e formas diferentes de se relacionar com a informação e com o poder.

Dedicou-se a implementar núcleos de vídeo para mídias sociais entranhados no dia-a-dia e na forma de produção e trabalho de órgãos de mídia com operações tradicionais. O primeiro projeto foi no YouTube da Jovem Pan, o programa Radioatividade, o primeiro do mundo a estrear ao vivo em Periscope. Depois, implementou a TV Antagonista, canal de vídeo do blog. Em 2017, foi convidada pelo tradicional jornal Gazeta do Povo para implementar seu canal de vídeo, onde até hoje mantém um programa ao vivo. Também é colunista da Gazeta do Povo

FORMAÇÃO E HISTÓRICO PROFISSIONAL

Formada em Jornalismo com especialização em Marketing Político pela USP,  Madeleine Lacsko fez a transição da máquina de escrever para a internet pelas ondas do rádio. E foi por meio da interatividade, transportada de um veículo a outro, que manteve viva a relação com um público jovem e fiel.

Foi repórter da Rádio Trianon durante 2 anos, repórter e apresentadora da Rádio Jovem Pan durante 10 anos, blogueira do Huffington Post e primeira apresentadora da TV Antagonista.

 

Também trabalhou na iniciativa privada, no departamento de marketing da CCR e como diretora de comunicação da Change.org no Brasil.

 

Fez parte do departamento de comunicação do Supremo Tribunal Federal e foi assessora do presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo.

 

Foi Consultora Internacional em Comunicação para o Desenvolvimento do UNICEF Angola, atuando em mobilização social, advocacy e mídia.

Foi International Visitor do Departamento de Estado dos Estados Unidos no International Leadership Program em Jornalismo Investigativo.

Fez dezenas de palestras, conferências e treinamentos sobre comunicação e novas tecnologias no Brasil e exterior, para jornalistas, membros do Judiciário, oficiais e praças da Polícia Militar e público em geral.

Recebeu diversos prêmios e condecorações, no Brasil e no exterior, entre eles:

  • ICDB - International Children's Day of Broadcasting Award, concedido pelo Unicef em Nova York para a melhor produção de programação infanto-juvenil do mundo​

  • Ordem do Mérito da Justiça Militar

  • Diploma Mérito da Comunicação da Polícia Militar do Estado de São Paulo

  • Medalha de Mérito de Justiça e Disciplina da Polícia Militar do Estado de São Paulo

  • Reconhecimento Oficial da Força Aérea Brasileira

  • Reconhecimento Oficial do Colégio de Presidentes de Tribunais de Justiça 

  • Prêmio Anamatra de Direitos Humanos

  • Prêmio da Parada LGBT do Rio de Janeiro

 

contato